segunda-feira, 19 de julho de 2010

O Mistério do Homem de Somerton

O "Mistério do Homem de Somerton" ou também conhecido como o "Caso de Taman Shud", trata-se de um caso policial aberto há mais de 60 anos na Austrália. Considerado um dos maiores e mais profundos mistérios da Austrália, o caso gira em torno de um homem desconhecido que foi encontrado morto às 6:30 da manhã, no dia 1° de dezembro de 1948 na praia de Somerton, cidade de Adelaide. Mais de 60 anos já se passaram e até hoje não se sabe quem é este homem, nem de onde veio, nem quem são seus parentes, nem o que causou a sua morte, e um bilhete escrito por ele jamais foi decifrado. Jamais se soube qualquer coisa a respeito desta pessoa em vida.


Quem foi esta pessoa? (foto do cadáver)




De acordo com o patologista John Burton Cleland, o homem de aparência britânica, parecia ter de 40 a 45 anos, e em ótima condição física. Ele tinha 1,80m de altura, olhos castanhos, cabelos escuros um tanto grisalhos, mãos e unhas sem sinais de trabalho manual. Ele vestia uma camisa branca, uma gravata vermelha e azul, calças, meias e sapatos marrom, e apesar de que o dia havia sido quente e à noite fazia muito calor, ele vestia um blusão marrom e um casaco. Não havia nenhuma etiqueta em nenhuma das suas roupas, ele estava com a barba bem feita, não levava nenhum documento de identidade, o que levou a polícia a acreditar que ele havia cometido suicídio.

Quando a polícia chegou no local da praia onde estava o corpo, viram que o braço esquerdo estava esticado e o braço direito estava dobrado. Um cigarro apagado estava atrás da orelha dele, e um cigarro fumado até a metade estava caído ao lado do seu rosto, encostado na bochecha. Ao mexer nos bolsos dele, encontrou-se uma passagem de ônibus para a cidade de St. Leonards em Glenelg, uma passagem de trem de segunda-classe da cidade de Henley Beach, um pente de alumínio, um pacote de goma de mascar, uma carteira de cigarros e uma caixa de fósforos.

Testemunhas declararam que haviam visto na noite do dia 30 de novembro, um indivíduo semelhante ao homem morto no mesmo local. Um casal que o havia visto por volta das 7 da noite conta que eles viram o homem estender o braço direito ao máximo e em seguida o deixando cair ao chão. Outro casal que o viu entre 7:30 e 8 da noite, quando as luzes da rua haviam acendido, conta que não o viram se mexer durante a meia hora em que estavam lá, apesar de que eles tiveram a impressão de que ele havia mudado de posição. Eles lembram que comentaram entre si que o homem devia estar morto pois não estava reagindo aos mosquitos, mas pensaram que ele só estava bêbado ou dormindo, e não quizeram se envolver nem investigar. Quando a polícia encontrou o corpo do homem às 6:30 da manhã do outro dia, ele estava na mesma posição em que as testemunhas o haviam observado.

Uma autópsia foi realizada e descobriu-se que o homem havia morrido por volta das 2 da madrugada em 1° de dezembro. Segundo o relatório:


"O coração estava no tamanho normal, e sadio. Pequenos vasos no cérebro estavam muito congestionados. Havia congestão da faringe, e na garganta havia uma úlcera. O estômago estava profundamente congestionado. Havia congestão na segunda metade do duodeno. Havia sangue misturado com comida no estômago. Ambos os rins estavam congestionados. O baço era extraordinariamente grande, aproximadamente 3 vezes maior do que o normal. Havia hemorragia gástrica aguda, extensa congestão do rim e do baço, e a congestão no cérebro."


Descobriu-se também que a última refeição dele havia sido uma espécie de torta (pasty) ingerida entre 3 a 4 horas antes da morte. O patologista Dr. Dwyer concluiu na época: "Eu estou convencido de que a morte não foi natural... o veneno que eu sugeri deve ter sido um barbitúrico ou um hipnótico solúvel". Apesar de que envenenamento era a primeira suspeita, a refeição não havia sido a fonte do veneno. No final, os médicos não conseguiram chegar à conclusão da identidade do homem, da causa da morte dele ou se o homem visto na noite anterior era o mesmo homem, uma vez que ninguém havia visto o rosto dele enquanto ele estava vivo. Fotos do rosto do cadáver e suas digitais circularam pelo mundo todo mas ninguém o identificou. O corpo dele foi embalsamado em 10 de dezembro de 1948, fato que ocorreu pela primeira vez na história da polícia australiana.

As inúmeras tentativas de identificar o homem e a causa da sua morte jamais tiveram sucesso, e levou as autoridades a considerá-lo um "mistério sem paralelo", acreditando que a causa da morte dele jamais será descoberta. Um jornal citou o caso como "um dos mistérios mais profundos da Austrália", e comentou que se o homem morreu por causa de um veneno tão raro e obscuro que não pôde ser identificado por experts em toxicologia, então certamente o caso era de algo muito mais sério do que um simples envenenamento doméstico.

Durante o tempo em que se procurava pela identidade do homem, um pedaço de papel com as palavras "Taman Shud" impressas foi encontrado num bolso secreto da calça. Logo traduziu-se a frase, que significa "acabou" ou "terminou", sendo essa frase encontrada na última página de um livro contendo uma coleção de poemas chamado The Rubaiyat, de Omar Khayyam. O pedaço de papel era branco do outro lado, e haviam palavras escritas em 5 linhas, com letras maiúsculas, a segunda linha tendo sido riscada, numa espécie de código:



MRGOABABD
MLIAOI
MTBIMPANETP
MLIABOAIAQC
ITTMTSAMSTGAB


Especialistas em decifrar códigos foram chamados para descobrir o que estava escrito, mas ninguém conseguiu decifrar a mensagem no papel.

Algum tempo depois, o homem foi enterrado no Cemitério de West Terrace, numa cova simples, com uma lápide que diz "Here lies the unknown man who was found at Somerton beach 1st Dec. 1948" ("Aqui jaz o homem desconhecido que foi encontrado na praia de Somerton em 1° de dezembro de 1948").



O caso ainda é considerado "aberto" pela polícia da Austrália. Nenhum dos maiores e melhores especialistas na área puderam desvendar o caso. A identidade do homem, quem ele é, de onde veio, quem são seus parentes, qual a causa de sua morte, e o que significam as palavras no bilhete, continuam um mistério até os dias de hoje...


Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Taman_Shud_Case